O preço

[Lara Goulart, 20 anos; Redatora chefe do Projeto e estudante de Psicologia]

|Texto revisado por Ana Lua|


Quantas vezes já me deparei com a sensação de ter que comprar um pouco do que me fizesse leve porque parecia mais difícil só tirar o peso… Nesse mundo louco onde tudo é mercadoria ou mercadológico, quanto custa para ficar leve?


Quanto custa um sorriso?

E um suspiro de alívio?

Quanto me pede num punhadinho de saúde?

E uma pitada de esperança, quanto é?

Já que cobram por tudo,

Que pago o preço de existir,

Diz-me logo o preço dos ingredientes!

Não são para poção nenhuma,

Podem apagar as fogueiras.

Sei bem que para sarar esse mundo

É preciso quebrar muito

Não quero,

Não tenho forças de feitiço

Nem é o que venho comprar

Quero só o suficiente

Bem pouquinho

Para cozinhar quem sabe

Uma noite de sono,

Um dia sem dores,

Uns planos para o futuro…

Queria, na verdade, era doar

Tirar um pouco do peso que grudou aqui,

A receita é para ver se dissolve

Um pedacinho que seja

Que me dê brecha

Para a luz entrar

E eu respirar.

Quanto custa, moço? Para ser leve, só por um pouquinho!


Já sentiu que precisava consumir sintomas para conseguir implementar um pouco de leveza em si? Consegue se relacionar com o poema?


4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O trem